Notificações Amigos pendentes

      Cifra Club News

      Quincy Jones chama Michael Jackson de “ladrão de música”

      8 de fevereiro de 2018 6:46 Por Gustavo Morais

      Quincy Jones é um ícone da história da música (Reprodução/Internet)

      Do alto de seus 84 anos, o empresário e produtor Quincy Jones é uma lenda viva da indústria fonográfica. Com 28 prêmios Grammy no currículo, Jones coleciona feitos musicais memoráveis, incluindo a produção dos principais trabalhos de Michael Jackson. Prestes a lançar uma série na Netflix [sempre ela ;) ] e um especial na CBS, o produtor acabou de dar duas entrevistas bombásticas. Em conversa com a revista GQ e com o site Vulture, Jones fez algumas revelações surpreendentes.

      Michael Jackson e Quincy Jones, em algum momento dos anos 80 (Reprodução/Internet)

      Sem papas na língua, Quincy Jones comentou sobre o modus operandi de seu principal pupilo, o icônico Michael Jackson. Segundo Jones, o Rei do Pop agiu de má fé com vários colegas do meio musical.

      Detesto falar sobre isso publicamente, mas Michael Jackson roubou muitas canções. ‘State of Independence’ (de Donna Summer), por exemplo, é ‘Billie Jean’. As notas musicais não mentem. Michael era maquiavélico (…) Ganancioso, ganancioso. ‘Don’t Stop Till You Get Enough’, Greg Phillinganes (tecladista) escreveu uma parte. Michael deveria ter dado a Greg 10% da música, mas não rolou

      Quincy também comentou sobre um show de James Brown com Prince e Michael Jackson como convidados. Segundo o produtor, o desfecho quase foi trágico.

      Foi um confronto de estrelas. Foi visto como um triunfo para Michael Jackson e uma rara humilhação para Prince. (O repórter pergunta se eles se falaram após o show). Ah sim, eles se falaram. Prince esperou na limousine e tentou atropelar Michael, La Toya e sua mãe

      O repórter também perguntou a Quincy quais foram as primeiras impressões que o som dos Beatles causou em seus ouvidos. Sem desligar sua metralhadora giratória, o lendário produtor esculhambou o Fab Four.

      Eles eram os piores músicos do mundo. Eles eram uns f** da p*** que não tocavam. Paul é o pior baixista que eu já ouvi. E Ringo? Nem me fale. Me lembro de estar em um estúdio, com George Martin, e Ringo levou três horas para uma música de quatro compassos. Ele simplesmente não conseguia tocar. (Quincy afirma que um músico de jazz foi chamado e gravou em 15 minutos e depois Ringo ouviu a música pronta). Ringo disse: ‘Até que não ficou tão ruim’. E eu disse: ‘Claro, seu otário, porque não é você’. Mas ele é um cara legal, mesmo assim

      Ringo não parece guardar mágoas de Quincy Jones (Reprodução/Internet)

      Nem mesmo o Rei do Rock escapou do olhar crítico de Quincy Jones. Segundo o produtor, quando surgiu, Elvis Presley era bem pouco talentoso.

      Eu estava com (o trompetista) Tommy Dorsey quando Presley apareceu, aos 17 anos. E Dorsey disse: ‘Fod** – não vou tocar com esse cara.’ Ele não deixou sua banda tocar com ele. (O repórter pergunta se o trompetista estava certo). Sim! Sim, o fi** da p** não sabia cantar

      Leia as entrevistas completas (em inglês) para a GQ e o Vulture.