Notificações Amigos pendentes

      Cifra Club News

      O mistério por trás do clássico infantil ‘A Casa’

      28 de setembro de 2017 9:59 Por Damy Coelho

      Você já viu o Top 10 do Letras essa semana?

      O ranking das mais acessadas no site geralmente acompanha as atuais tendências musicais. Ou seja, tem as bombadíssimas “Trem Bala“, da Ana Vilela e “Deixe-me ir” do 1Kilo, tem Matheus e Kauan, Pabllo Vittar… mas, no meio desses hits, se destaca uma música que foi lançada há mais de 30 anos e se tornou quase um clássico do cancioneiro infantil.

      Não reparou??

      Mas por que “A Casa”, clássico de Vinicius de Moraes lançado lá em 1980, foi parar no nosso Top 10??

      Porque as pessoas estão tentando entender o mistério por trás da letra desse clássico. Se “Ragatanga” é a música sobre um cara que tava doidão e não sabia cantar em inglês (entenda), qual seria o real significado por trás de “A Casa”?

      Reza uma lenda que a a casa que não tinha teto, não tinha nada, era estranha assim porque não era necessariamente uma casa, mas a metáfora para um útero.

      Podemos temer por mais infâncias destruídas??

      CALMA, MEU AMIGO!

      Na verdade, isso é mais uma lenda urbana da música brasileira. O próprio Toquinho, que musicou vários poemas de Vinícius, já explicou a história. A tal casa existe de verdade: idealizada e construída pelas próprias mãos do artista Carlos Vilaró, a Casapueblo fica em Punta Ballena, no Uruguai, e chama a atenção pela arquitetura bem diferente.

      Construída com madeiras trazidas do mar, a casa não foi exatamente planejada. Mas a construção foi ganhando vida de acordo com as necessidades e desejos do artista. “Se o João-de-Barro constrói sua própria casa, porque eu não posso construir a minha?”, dizia o Vilaró.

      A tal ‘casa engraçada’ era a casa de verão do artista. Após a sua morte, virou um complexo incluindo um museu, uma galeria de arte e um resort (Divulgação)

      Vinícius costumava visitar o artista e amigo pessoal, e acompanhou de perto o processo de construção da casa – que, de fato, não teve paredes nem nada durante um bom tempo.

      O poeta, então, criou uma letra para ninar os filhos do Vilaró, inspirada na tal casa da família: “Era uma casa muito engraçada, não tinha portas, não tinha nada, era uma casa de pororó, era a casa de Vilaró”, dizia a letra.

      Toquinho desvendou o mistério: “A casa é bem diferente, à beira de um penhasco. Parece levitar ao pôr do sol. Fica a imagem de uma casa engraçada. Sem teto, sem chão, sem parede. Eis a magia da poesia de Vinícius”.