Notificações Amigos pendentes

      Cifra Club News

      Now: a volta por cima de Shania Twain

      14 de outubro de 2017 11:24 Por Damy Coelho

      Muita gente deve ter se surpreendido com a última atualização do TOP 100 dos álbuns da Billboard: desbancando nomes como Demi Lovato e Miley Cyrus, está Shania Twain, ocupando a primeira posição com Now - seu primeiro álbum em 15 anos.

      “É a terceira melhor venda de um disco country em 2017 e a segunda melhor para uma cantora feminina do gênero em dois anos”, avisou a Billboard.

      MUITO ALÉM DO COUNTRY

      Em entrevista à Rolling Stone, Shania falou sobre a sua base musical ser rock e country, e isso é perceptível em todos os hits da cantora. Esses dois elementos permanecem em Now, na essência toda do álbum, o que ainda nos permite categorizá-lo como um disco de country pop. Mas, como todo bom álbum pop contemporâneo, a cantora mesclou também uma série de outras influências que aparecem sutis no seu novo trabalho, como o reggae e as batidas eletrônicas.

      Essa sonoridade mais contemporânea pode ser fruto da nova equipe de produtores que ela convocou como parceiros: Jake Gosling, que trabalha com Ed Sheeran, e Matthew Koma, nome por trás do pop-vintage de Carly Rae Jepsen.

      REDENÇÃO

      É verdade que o jejum de tantos anos sem lançar um novo trabalho gerou uma enorme ansiedade nos fãs e fez as vendas do álbum dispararem – o que não é novidade, se tratando de uma artista já consagradíssima nos Estados Unidos e poderosa no seu estilo: se Garth Brooks é o grande recordista de vendas do country, Shania se consagra como a mulher que mais vendeu discos na história do country.

      Shania Twain: ‘Esse álbum é minha chance de fazer algo realmente puro, algo meu’, disse a cantora para a Rolling Stone (Divulgação)

      Mas outro elemento chama a atenção para o lançamento do disco: nestes últimos anos em que esteve em hiato, Shania passou por verdadeiras provações, que foram escancaradas em um seriado da TV americana feito sobre ela, em 2011: ela viu seu casamento de 15 anos com Mutt Lange ruir, após ele ter se apaixonado por uma das melhores amigas de Shania, Marie-Anne.

      Abalada pelo fim do casamento, a cantora ainda passou por um problema de saúde que afetou suas cordas vocais. Shania já havia afirmado que sua voz “jamais seria a mesma novamente” por conta da doença de Lyme.

      Para piorar, Matt Lunge não era “só” o marido de Shania Twain, mas seu produtor e braço direito. Era ele quem compunha a base musical, enquanto Shania entrava com as letras. Essa parceria elevou Shania ao sucesso que já conhecemos. Com o fim do casamento – e da parceria – estava também incerto o futuro musical de Shania.

      Mas, em uma reviravolta típica de folhetins mexicanos, Shania encontrou consolo junto a outro coração partido: ela se apaixonou pelo então amigo e ex-namorado de Marie-Anne, Frederic. Sim, o homem que também saiu traído na história toda.

      Por todos esses motivos, Now é o álbum de redenção de Shania Twain. 15 anos depois, após uma luta contra os problemas na voz e depois de se recuperar de uma separação traumática, ela está de volta – desta vez, sem nenhum parceiro para guiar suas melodias. É um álbum da Shania Twain feito por ela mesma, que reflete a vivência e as novas influências de uma mulher de 52 anos, que nunca parou de estudar música e de acompanhar as mudanças no cenário fonográfico.

      RECEPÇÃO NEGATIVA

      Apesar do recorde de vendas e de Now ter, de fato, caído no gosto dos fãs da cantora, a crítica não foi de todo favorável: para além dos entusiastas mais tradicionais do country terem torcido o nariz para uma guinada cada vez mais pop da cantora – preconceito, aliás, que ela sempre sofreu – alguns jornalistas afirmaram que o “problema” de Now é o fato de ser um álbum sem grandes promessas de hits. Essa avaliação soa ultrapassada mesmo falando de música pop. É só pensar no Anti, da Rihanna, que também é considerado um álbum sem hits e mesmo assim, ainda é o melhor trabalho lançado pela cantora.

      Porém, o mais grave é que a história de vida da cantora parece “roubar” a cena nessas resenhas, que sequer dão espaço para analisar o que de fato importa: a música. Sites como o Pitchfork se preocuparam em taxar o álbum de Shania como um “disco de divórcio” e com este rótulo, concluíram que Now jamais chegaria aos pés do incontestável Lemonade – que seria o “álbum de divórcio de Beyoncé” que acabou influenciando nesse tipo de categorização.

      A comparação é esdrúxula tanto por botar em pé de igualdade duas artistas completamente diferentes, apenas pelo fato de elas terem lançado um álbum que escancara seus sentimentos a partir de um problema pessoal, quanto por, mais uma vez, tentar comparar duas mulheres para depreciar o trabalho de uma delas – hábito já antigo na crítica musical. Sim, Shania já havia afirmado que Lemonade foi uma influência, mas muito mais em forma de incentivo do que musicalmente, de fato.

      Now não é o Lemonade, e nem precisa ser: dentro do nicho que a cantora se encaixa, ele agrada – tanto que superou qualquer expectativa e alcançou o Top 1 da Billboard, de todos os gêneros musicais. A cantora que foi influência direta para artistas como Taylor Swift, Miley Cyrus, HAIM e várias outras artistas atuais, está longe de perder o posto de rainha.