Notificações Amigos pendentes

      Cifra Club News

      Lana Del Rey faz versão de música de Daniel Johnston; confira

      7 de novembro de 2015 7:33 Por Damy Coelho

      A cantora Lana Del Rey fez uma versão para a música “Some Things Last A Long Time“, de Daniel Johnston. O trecho do cover aparece no trailer oficial do curta “Hi, How Are You?”, que contará com cenas de entrevistas do cantor. O trailer foi divulgado na última sexta (6).

      “Ajudinha”

      Lana Del Rey doou 10 mil dólares para uma campanha de financiamento coletivo que tinha como objetivo produzir um curta sobre o cantor Daniel Johnston, um dos nomes mais icônicos da música alternativa. A campanha também contou com a ajuda do cantor Mac Demarco (que doou o mesmo valor) e graças às doações, o filme finalmente será rodado, com produção e direção de Gabriel Sunday. Porém, ainda não há data de lançamento oficial.

      O filme terá participação do cantor, comentando sua vida conturbada e seu processo criativo como músico.

      Assista ao trailer com a versão (ainda mais lo-fi) de Lana Del Rey para ”Some Things Last A Long Time”, música que está originalmente no álbum 1990:

      Honeymoon e a estrela solitária

      Lana Del Rey lançou em setembro o seu terceiro álbum de estúdio, intitulado Honeymoon. O trabalho chama a atenção pela unidade e linearidade: todas as 14 canções mergulham em uma clima soturno, com canções desaceleradas, vocais lo-fi dramáticos e influências ainda mais diretas de estilos como o jazz e o dream pop dos anos 90.

      Este foi o trabalho da cantora que lhe rendeu as melhores críticas até agora. Não é para menos: Lana parece ter seguido os conselhos de se aprofundar no estilo mais retrô, como se todas as músicas fizessem parte da trilha sonora de algum filme perdido nos anos 50. Este estilo parece ser a zona de conforto de Lana, onde ela se encontra melhor como artista. Nada das tentativas frustradas de mesclar o estilo vintage com o hip hop, com letras que lembram o clamor desesperado de uma adolescente que perde o seu primeiro amor.

      A maturidade das composições, inclusive, é outro aspecto que chama a atenção para o trabalho. Destaque para “Music To Watch Boys To“, uma verdadeira colagem de cenas sobre a rotina de uma garota observadora, que capta cada cena cotidiana a seu redor e faz uma análise sobre os momentos que vive. Não há dúvidas, porém, que a cantora pode ir muito além da monotemática ideia da mulher que idolatra seu homem –  em tempos de feminismo em alta, esse tipo de composição parece um passo para trás e o tema ainda aparece (mesmo que com menor frequência) em Honeymoon.

      Lana Del Rey, com esse álbum, parece finalmente ter encontrado o seu caminho no mercado em que ela mesma abriu espaço: um pop-alternativo-feminino, algo que estava faltando na indústria fonográfica. Mas, como acontece com todos que são precursores, há um preço a se pagar: a cantora segue na contramão de suas colegas que fazem a linha “divas do pop”, como Katy Perry ou Lady Gaga e isso faz com que ela esteja em uma posição totalmente solitária no mercado. É inegável que essa característica a torna, muitas vezes, incompreendida, ou condenada por ser “experimental demais”. Mas os fãs ainda podem levar vantagem nisso, pois poderão contar com trabalhos cada vez mais originais vindos de Lana Del Rey – ou, pelo menos, é o que se espera daqui em diante.