Notificações Amigos pendentes

      Cifra Club News

      Lady Gaga e Sam Smith defendem as minorias no Oscar

      29 de fevereiro de 2016 8:54 Por Damy Coelho

      Chris Rock apresentou a cerimônia deste ano

      Em uma edição marcada por protestos contra a hegemonia branca nas indicações, o palco do Oscar 2016 foi marcado por discursos e apresentação em favor das minorias. Sam Smith, Lady Gaga e o apresentador da cerimônia, o ator Chris Rock, usaram seus discursos para apoiar negros, homossexuais e vítimas de abuso.

      Pouco antes do início da cerimônia do Oscar neste domingo (28), Lady Gaga publicou em seu Twitter que sua tão aguardada apresentação no evento era dedicada à cantora Ke$ha.

      “Ke$ha, eu estarei pensando em você hoje à noite. Isso não acabou e nós ficaremos ao seu lado até você estar livre para viver uma vida feliz. Todo mundo merece isso”, escreveu Gaga. A cantora foi uma das várias (entre elas, Taylor Swift e Adele) que  defendeu publicamente Ke$ha.

      Ke$ha perdeu a primeira audiência contra a gravadora Sony e contra seu produtor, Dr, Luke, a quem ela acusa de abuso sexual e psicológico (relembre o caso). A cantora fez questão de agradecer o apoio de Gaga pelo Instagram: “Lady Gaga, obrigada por chamar a atenção para as vítimas de abuso em uma cerimônia como o Oscar”, escreveu.

       

      Ke$ha usou as redes sociais para agradecer Lady Gaga

       

      Veja a apresentação de Lady Gaga no Oscar

      Engajamento

      O apresentador da cerimônia, Chris Rock, usou do sarcasmo para alfinetar diretamente a polêmica em torno do racismo na cerimônia. Para quem não se lembra, este ano o evento foi marcado pelo boicote de alguns atores negros, que protestaram contra a hegemonia branca nas indicações. Foi o movimento chamado “Oscar So White”.

      Logo no início da apresentação, Chris já mandou essa: “Bom, estou no Oscar da Academia, também conhecido como os prêmios dos brancos”.

      “Neste ano, as coisas vão ser diferentes. No segmento In Memorian só aparecerá gente negra que foi baleada por policiais”, constatou. E não parou por aí: ” Por que estamos protestando neste Oscar? É o Oscar número 88. Vocês acham que havia negros indicados na década de 50 ou 60? Quero dizer, isso não vem de hoje. É que naquela época havia coisas mais importantes para negros protestarem. Sabe, quando sua avó está pendurada em uma árvore, é muito difícil se preocupar com o melhor curta de documentário estrangeiro”, foram só algumas das provocações do ator. Além disso, ele se posicionou: “O movimento ‘Oscar So White’ não é só um boicote. Queremos oportunidade. Queremos que os atores negros tenham as mesmas oportunidades que os brancos”, concluiu.

      O cantor Sam Smith também aproveitou o discurso de vencedor da categoria “Melhor Canção Original” para dedicar o prêmio à comunidade LGBT. Ele destacou que não sabia ao certo, mas que acreditava ser o primeiro cantor assumidamente gay a vencer o Oscar nesta categoria e destacou a importância do reconhecimento aos homossexuais.