Notificações Amigos pendentes

      Cifra Club News

      Flea tece elogios a Frank Ocean:”sua música mexe comigo profundamente”

      1 de setembro de 2016 10:08 Por Damy Coelho

       

      Um dos lançamentos mais comentados em sites de música internacionais é o Blonde, novo álbum de Frank Ocean. O cantor não é tão conhecido pelo grande público por aqui, mas agrega uma legião de fãs fiéis, que esperou ansiosamente pelo lançamento desse disco. Motivado por todo esse “hype”, o site NME perguntou ao Flea o que ele pensa sobre toda essa febre em cima do cantor.

      Red Hot Chilli Peppers mantém o rock nas paradas de sucesso

      Flea, que estava saindo do show do Red Hot Chilli Peppers no Reading Festival, respondeu de prontidão: “Olha, não posso falar muito sobre a febre, ou como o mundo se relaciona com a música dele. Mas pra mim, o Channel Orange, o álbum anterior, é muito profundo. Ele me afeta profundamente. Tenho uma relação emocional de verdade com esse disco. Já ouvi milhares de vezes. Ele afeta até a minha alma, especialmente a sua voz. Então, eu fiquei muito feliz quando soube do lançamento desse novo disco. Sou fã”, disse, rasgando elogios ao cantor.

      Precisamos falar sobre Frank Ocean

      Capa do novo álbum de Frank Ocean (Foto: Reprodução)

      Frank Ocean bebe da fonte do rap e do hip-hop. Ele compunha para nomes como Beyoncé, Justin Bieber e já gravou com Pharrel Williams antes de lançar seu primeiro single ,”Nostalgia”, em 2011. O lançamento já recebeu bons elogios, mas foi com o álbum Channel Orange, de 2012, que o cantor alcançou prestígio da crítica e do público. No primeiro dia de lançamento, o álbum já ocupava a vice-liderança do top 200 da Billboard.

      No mesmo ano, o cantor publicou uma mensagem em seu Twitter, contando a história de como se apaixonou pela primeira vez, revelando sua homossexualidade. O cantor concluiu: “Eu não sei o que acontece agora, e isso é certo. Eu não tenho nenhum segredo que eu precise manter … Eu me sinto como um homem livre”. A revelação causou muita comoção, já que o meio do rap é tido como homofóbico e machista.

      Após algum tempo em reclusão, Frank Ocean lança um projeto ousado: ele rompeu com a Def Jam e criou a seu próprio selo, chamado “Boys Don’t Cry”. Dessa maneira independente, Frank lançou um disco audiovisual, Endless (Boys Don’t Cry) e o álbum Blonde – ambos saíram em agosto deste ano.

      Apesar de não contar com o apoio de uma grande gravadora, Blonde tem participações de peso, como Beyoncé, Kendrick Lamar e até Jonny Greenwood, guitarrista do Radiohead. Isso só para citar alguns exemplos, já que o álbum conta com diversas participações. Como uma verdadeira colagem de sentimentos e influências de Frank Ocean, Blonde ajuda a revelar, a partir da mistura de estilos e com canções intimistas, novos caminhos para o rap.

      O álbum foi lançado no fim de agosto, apenas pelo iTunes, e a revista Forbes especula que as vendas já somam mais de 1 milhão de dólares – uma surpresa para um álbum lançado de forma independente.

      Veja o clipe de “Nikes“, primeiro single de Blonde: