Notificações Amigos pendentes

      Cifra Club News

      Últimos lançamentos: clipes nacionais

      5 de dezembro de 2016 13:41 Por Damy Coelho

      Céu, no clipe de "Varanda Suspensa"

      O ano está acabando, mas a produção musical do país não pára. O Cifra Club News selecionou pra você alguns dos clipes nacionais que saíram no período entre o final de novembro e início de dezembro.

      Confira a nossa lista abaixo, que abarca músicos já consagrados e artistas que vêm despontando na música independente.

       

       

       

      Carne Doce – “Açaí

      Açaí” é a segunda música de trabalho de Princesa – segundo álbum cheio dos goianos do Carne Doce e um dos discos mais interessantes deste ano.

      O clipe, que foi lançado nesta semana, conta com participação dos amigos da banda em cenas caseiras, além de imagens de Salma Jô e Macloys, casal que deu origem ao Carne Doce.

      Confira abaixo:

       

       

      Céu - “Varanda Suspensa

      Varanda Suspensa” é a nova música de trabalho do premiado Tropix, lançamento mais recente de Céu. A música ganhou um clipe nesta semana, que mostra a cantora toda à vontade, dançando pelas ruas de São Paulo enquanto mistura elementos tropicais à cidade cinza, em um vídeo bastante sinestésico.

      Detalhe: tudo filmado em Super 8mm, dando um charmoso ar vintage à produção.

      Veja:

      Marcelo Yuka – “Movimento da Massa”

      Marcelo Yuka está prestes a lançar seu próximo álbum, Canções Para Depois do Ódio. O disco sai nos primeiros dias de 2017, mas já dá pra conhecer a primeira música de trabalho do novo projeto, “Movimento da Massa“.

      A faixa, com ares de Jorge Ben e que celebra as manifestações populares (seja de manifestações políticas à torcida no estádio de futebol, como disse o músico ao Globo), tem participação de Bukassa Kabengele e ganhou um lyric video nesta semana.

      Confira abaixo:

      Síntese – “Novo Dia

      Novo Dia” é o segundo single do novo álbum do Síntese, Trilha para o Desencanto da Ilusão, Vol. 1: Amem.

      Neto é o músico que dá vida ao projeto Síntese, um dos mais interessantes do rap nos últimos anos – e é ele também quem aparece nas cenas de estúdio do novo clipe, que conta com a participação do produtor Daniel Ganjaman, que trabalhou em álbuns de Sabotage e Seu Jorge.
      Confira:

      Rio Sem Nome – “Liberdade”

      Rio Sem Nome é o novo projeto do mineiro João Carvalho. Além de compor a banda El Toro Fuerte e de idealizar o Sentidor, projeto de música experimental e eletrônica, João se aventura novamente nas sobreposições sonoras neste projeto, cujo primeiro álbum saiu em novembro.

      Destoando da essência instrumental do Sentidor, Rio Sem Nome conta com letras curtas e diretas, onde mesmo as metáforas entregam os mais intensos dos sentimentos, como o amor, o medo e a contemplação. Já as melodias experimentais, que quebram com qualquer conceito prévio de métrica e continuidade, trazem uma nova experiência sonora ao ouvinte. Conheça o trabalho do Rio Sem Nome com o lyric video lançado recentemente, da faixa “Liberdade“.

      Lívia Cruz“Ordem na Classe”

      Lívia Cruz mostra todo o seu empoderamento no clipe de “Ordem na Classe“. Andando pelas ruas de São Paulo, a rapper de Recife canta sobre a opressão que já sofreu por ser mulher no rap (Questionaram minha técnica/preocupados com meu flow e métrica/com meu quatro por quatro eu passei/por cima das suas linhas fraca e patética) e celebra a força feminina, além de atacar aqueles menos inspirados em um meio tão genuíno como o rap. “A sua atuação de MC favelado merecia um Oscar“, brada Lívia Cruz.

      Vem ver:

       

      Emicida - “Mandume” ft. Drik Barbosa, Amiri, Rico Dalasam, Muzzike, Raphão Alaafin

      O novo single do álbum Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa é “Mandume“, que ganhou um clipe super produzido nesta semana.

      A faixa é uma das mais complexas do álbum, cheia de participações especiais. Já o vídeo tematiza a opressão da cultura negra, inclusive de religiões afrodescendentes,e a força dessa cultura no país. Em tempo: o nome da música faz referência ao rei Mandume (1894-1917), líder da resistência contra a ocupação colonial portuguesa na Angola.

      Vale o play: