Notificações Amigos pendentes

      Cifra Club News

      ‘Essa foi a minha guerra’,diz mãe de Layne Staley sobre vício do filho

      23 de agosto de 2017 10:43 Por Damy Coelho

      Layne Staley: outro ídolo da música que perdeu a batalha contra o vício (Reprodução)

      Se estivesse vivo, Layne Staley teria completado 50 anos na última terça (22). Enquanto fãs e ex-companheiros de banda prestaram homenagens ao eterno vocalista do Alice In Chains, a mãe do cantor falou a um jornal de Seatlle sobre a difícil perda do filho.

      Nancy McCallum ainda comentou sobre a questão de saúde pública que os EUA vêm enfrentando, com altos índices de vícios em heroína e em ansiolíticos.

      Layne morreu em 2002, em decorrência de uma depressão profunda e do vício em drogas ao longo dos anos. Havia abandonado o Alice in Chains seis anos antes e se isolado do mundo, se mantendo em casa. Os laudos apontam que o cantor estava pesando apenas 39 quilos quando morreu.

      Nancy McCallum falou sobre o difícil momento em que se deparou com o corpo do filho. Ela explica que os policiais não a orientarem a vê-lo, porque o corpo de Layne foi encontrado em seu quarto cerca de duas semanas após a sua morte. “Mas eu fui vê-lo assim mesmo”, disse. “Eu prometi que sempre estaria do lado dos meus filhos. Eu sentei ao lado dele e pedi desculpas por isso ter acabado do jeito que acabou”, disse.

      Nancy ainda falou sobre o vício.

      Layne estava fazendo turnês pelo mundo, ele estava em casa e em tratamento. Ele foi pego em uma armadilha e eu só fui entender isso muito tarde. Vício é uma doença como qualquer outra. Como um câncer, ele pode ser tratado, mas também pode reaparecer. Nós não podemos julgar. A ênfase tem que ser na pesquisa e tratamento.

      Para ela, os culpados para o fenômeno do alto vício em drogas recentemente nos Estados Unidos são os médicos que prescrevem remédios controlados indiscriminadamente.

      Luta

      A mãe de Layne ainda deu um relato emocionante sobre como as mães sofrem quando o filho se envolve com o vício, e como a sociedade não vê a força dessas mulheres.

      A sociedade acha que mães são fracas e choronas, mas mulheres vão pra guerra, nós temos bebês. Essa é a minha guerra. Enquanto outros estão no Afeganistão e Iraque, ele estava lutando uma guerra em casa. Ele escolheu escrever sobre isso e cantar sobre isso e tocar sobre isso. Era um aviso.

      Nancy finaliza alertando para que as pessoas que estiverem sofrendo com o vício procurem ajuda e o programa dos 12 passos, e alerta para charlatões que prometem milagres. Com tantas perdas de ídolos talentosos que têm o vício como motivação direta ou indireta, é preciso mesmo se atentar para este problema de saúde pública.