Notificações Amigos pendentes

      Cifra Club News

      Análise: o segredo que mantém Safadão no topo

      17 de fevereiro de 2018 16:16 Por Damy Coelho

      Só se fala em Anitta, mas, na verdade, o novo perfil de músico/empreendedor que cuida da própria carreira parece ser a nova tendência do mercado fonográfico. Um exemplo louvável desse tipo de artista é o de Wesley Safadão.

      No Carnaval, o Safadão foi visto ao vivo por milhares de pessoas entre o sudeste e o norte do país: em quatro dias de folia, o cantor fez 11 (!) shows – todos em cidades diferentes – e botou todo mundo pra dançar com os seus hits, que lotam um repertório inteiro de apresentação.

      A disposição foi tanta que o cantor até compartilhou com os fãs uma foto usando um nebulizador para recuperar a voz.

      HITMAKER

      Safadão tá em todas, e um dos seus segredos para o sucesso é se despir de qualquer preconceito musical. Claro que o estilo que ele passeia com mais facilidade é o forró, que o formou musicalmente – mas suas parcerias, por exemplo, vão do pop ao funk, passando pelo arrocha e pelo sertanejo.

      Nos tempos em que esses estilos estão cada vez mais misturados, Safadão se mostra versátil, um perfil perfeito que o mercado musical procura atualmente.

      Curiosamente, o cantor já não é mais um frisson -por exemplo,  lá se vão quatro anos que ele “subiu no Camarote” – seu megahit que ganhou o Brasil. Mas, mesmo assim, Safadão consegue emplacar um sucesso atrás do outro: Ar Condicionado no 15, Tô Solteiro de Novo, Você Partiu Meu Coração, Sonhei que Tava Casando… esses são só alguns exemplos de músicas com participação do cantor que voaram para as primeiras posições de sites como o Letras e o Spotify, poucos dias depois do lançamento.

      E o que todos esses hits têm em comum talvez seja o grande segredo do sucesso já consolidado de Safadão: as suas múltiplas parcerias e seu investimento em um time de compositores capazes de transformar tudo em hit.

      Se até a poucos anos os artistas contavam com uma grande equipe que administrava toda a sua carreira – de assessoria à produção e composição das músicas – com o fim da hegemonia das gravadoras, eles querem estar no comando de todos os processos. Muitas vezes, criam suas próprias empresas para administrar sua carreira e a de outros artistas. O Wesley Safadão, por exemplo, tem a WS Produções desde quando estava no Garota Safada. É a partir dessa empresa que ele negocia diretamente com compositores, em um acordo interessante para ambos. O resultado? Aos poucos, ele foi ganhando a confiança e admiração de compositores, que o recompensam com vários hits em potencial

      Hoje tenho uma facilidade de receber sempre músicas boas. Antigamente eu pegava o resto do resto do resto. Então buscava, estrategicamente, estar sempre próximo aos compositores. Uma hora ou outra, poderia sobrar algo para mim, explicou o cantor ao G1

      Se levarmos em conta a efemeridade do mercado atual, que tem dificuldades em manter um cantor em evidência por mais de dois anos, a estratégia de Safadão surte efeitos impressionantes: desde 2016, pelo menos uma música de Safadão (ou que tenha a participação dele) ficou entre as listas semestrais das 20 mais tocadas nas rádios do país, ou no TOP 50 do Spotify. Mesmo em 2016, o cantor ainda bateu o recorde de artista mais tocado em shows de todo o país. No réveillon daquele ano, seus hits foram os mais tocados no país, igualando-se apenas com o chavão Adeus, Ano Velho.

      Em 2018, Safadão notou que o Brasil estava ficando pequeno pra ele, e está investindo em sua carreira internacional. Depois de gravar um DVD em Miami, o cantor deu uma entrevista mostrando muita lucidez sobre o mercado fonográfico: “Estados Unidos é bem fechado, bem difícil. Eu enxergo um mercado mais fácil na Europa, por causa da proximidade da língua. A gente pensa em consolidar mais aqui depois sair de uma forma mais consistente”, explica.

      Se depender de seu carisma e tino mercadológico para hits, Safadão vai ainda mais longe.