Notificações Amigos pendentes

      Cifra Club News

      Entrevista com a banda que abrirá o show do Red Hot: Detonautas

      12 de outubro de 2002 7:39 Por Cifra Club

          O Rio de Janeiro é apenas a cidade natal dos integrantes da banda Detonautas Roque Clube. O verdadeiro espaço onde esta banda nasceu é o virtual. A internet, acusada sempre de ser a vilã do isolamento humano, foi quem uniu os músicos Tico Fontenelle, Tchello, Fábio Brasil, Renato Rocha e Cleston.     Até o lançamento do CD Detonautas Roque Clube, pela Warner Music, foram cinco anos de vida independente. Esse fim-de-semana, eles foram convocados para abrir o show da banda californiana Red Hot Chili Peppers, no Rio de Janeiro e em São Paulo.      Confira, a seguir, a entrevista exclusiva ao site Cifra Club, concedida via e-mail pela primeira banda brasileira formada on-line.  Contem um pouco como a banda foi formada. Renato Rocha (guitarra) – O vocalista Tico encontrou o baixista Tchello numa sala de bate-papo. A paixão música fez eles se encontram num posto de gasolina em Ipanema (RJ). Eu conheci o Tico via internet. Depois entrou Rodrigo Netto, compositor talentoso, que acompanhava via internet os caminhos da - -Detonautas Roque Clube: influência do rock dos anos 80.banda. O baterista Fábio Brasil acompanhava os nossos shows, até entrar para o Clube. DJ Cleston entrou logo em seguida a convite de Tico. Por ser uma banda formada por seis caras que nunca tinham se visto antes, as influências são as mais diversas mesmo! O ponto em comum é o rock dos anos 80.Fábio Brasil (bateria) – Entrei no Detonautas quando eles já tinham três anos de estrada, eu admirava a atitude deles. Quando pintou a oportunidade, entrei de cabeça no grupo. Estou na banda que sempre sonhei. As minhas grandes influências são do rock, bandas como Kiss, The Police, The Cult, Nirvana, Stone Temple Pilots e Pearl Jam.  A internet foi um meio útil para a divulgação da banda quando vocês eram independentes?  Fábio Brasil – A banda começou através de um site de bate-papo e a internet sempre foi um instrumento muito importante de divulgação pra banda.Renato Rocha – A internet sempre foi o principal veículo de divulgação. A banda nasceu e cresceu nesse meio. E é utilizada até hoje, no nosso site (www.detonautas.com.br) e nosso blog (www.detonautas.blogger.com.br).    Dos discos independentes que vocês lançaram, foi usada alguma música no álbum "Detonautas Roque Clube"? Renato Rocha – O CD saiu pela Warner exatamente com as mesmas músicas do independente. Até a ordem das músicas foi mantida. A diferença está no encarte, todo reformulado. O CD também foi remixado e remasterizado por Tom Capone e Álvaro Alencar. Como foi o processo da "conquista de espaço" até atingir o mainstream? Renato Rocha –  A banda D.R.C. sempre se organizou, delegando funções entre todos os integrantes. Durante esses cinco anos, todos os dias se fez e se faz algo pela banda. Mandamos centenas de materiais, e-mails, telefonemas... Sempre fomos determinados em nossos objetivos traçados. Metas sempre foram estabelecidas e cumpridas.   - Como surgiu o contato com o Fernando Magalhães, guitarrista do Barão Vermelho?  Renato Rocha – Ele nos viu no Ballroom (RJ), durante a passagem de som de um show de abertura para os Perdidos na Selva, e veio falar  conosco. A sintonia foi imediata e o primeiro nome cotado para produzir o CD foi o dele mesmo. Ele soube captar muito bem o astral da banda, além de ser um dos grandes nomes da guitarra nacional. Ele deu ao CD o espírito da banda ao vivo. Essa foi a intenção.   A maioria das bandas de rock não tem um DJ como integrante. O que o DJ acrescenta no som dos Detonautas? Renato Rocha – O DJ também é percussionista e as possibilidades são inúmeras. Ele traz a experiência de anos de scretches com Gabriel (O Pensador), dentre outros trabalhos e acrescentou muito à sonoridade da banda. Pitadas de elementos eletrônicos, efeitos e ruídos fazem parte do arsenal de Cleston! Além de suas percussões.Cleston (DJ) – Eu trago para a banda a influência do som eletrônico como scretches, loops e efeitos sonoros. Isso dá uma cara diferente para o grupo, que tem influência principalmente do rock dos anos 80. A minha entrada deu à banda um som mais moderno. Bandas como Linkin Park e Limp Biskit já chegaram no mercado mostrando que o estilo é bem aceito. A vantagem é que eu, além de ser DJ, também toco percussão.     Vocês foram escolhidos para abrir o show do Red Hot Chili Peppers. Vocês se identificam com o som e o público da banda? Renato Rocha – O RHCP é uma referência para todos nós, tanto pela atitude quanto pelo som dos caras. O público é excelente, também é o perfil do nosso publico, que são os jovens em geral.    Prepararam qual tipo de repertório para apresentar no show de abertura? Farão algum cover? Renato Rocha – Serão 30 minutos de energia, oito músicas coladas: sete nossas e a versão de "Daniel na Cova dos Leões", do Legião Urbana, no RJ e "Lugar Nenhum", dos Titãs, em São Paulo. - ---comprar cdVocês vão mudar alguma coisa dos arranjos do disco para o show? Renato Rocha – Os arranjos são os mesmos.  - Deixem uma mensagem para os visitantes do Cifra Club. Renato Rocha – É gratificante ver a aceitação e o retorno que estamos tendo pelo nosso trabalho árduo. Acreditem no sonho. Tudo é possível quando acreditamos, pensamos positivo e fazemos as coisas com verdade e honestidade. Vamos em frente! Valeu a força!    

      Comente à vontade, mas pegue leve com os palavrões e/ou ofensas senão seu comentário pode ser editado ou deletado. =)