Notificações Amigos pendentes

      Cifra Club News

      YouTube: novo serviço de streaming pode vetar clipes de Adele e outros

      18 de junho de 2014 11:08 Por Gustavo Morais

      O YouTube anunciou, na última terça-feira (17), que planeja lançar um serviço pago de transmissão de música. Intitulado “Music Pass”, o produto  é fruto de parcerias com “centenas de grandes gravadoras e selos independentes”.

      A princípio, o “Music Pass” deve oferecer funções similares a plataformas como “Deezer”, “Spotify” e “Rdio”. O serviço permitirá aos usuários acessar música sem anúncios publicitários, além de disponibilizar audição off-line e de tocar um álbum na íntegra.

      O anúncio ocorre em meio a críticas de alguns grupos que afirmam que o YouTube planeja bloquear o conteúdo de certos selos de aparecer em seu site gratuito de vídeos, a menos que assinem acordos para participar do novo serviço de música.

      Cerca de 90% das gravadoras  concordaram com os novos termos, mas 10% querem intervenção de órgãos reguladores europeus. Fazem parte dos 10% que se opões às propostas dos serviço, contudo, os selos que trabalham com Adele, Arctic Monkeys, Radiohead e Jack White. Caso não firmem um acordo, o material de algumas estrelas da música desaparecerá da maior plataforma de vídeo da web.

      Segundo a “Worldwide Independent Network” (WIN), instituição que representa as gravadores independentes, o contrato oferecido desvaloriza a cena musical independente. Segundo a WIN, se comparados aos contratos firmados com serviços de streaming já existentes como, por exemplo, Deezer, Rdio e Spotify, o maior site de compartilhamento de vídeos oferece propostas draconianas.

      O YouTube não comentou os termos, mas afirmou em comunicado que o novo serviço vai gerar nova fonte de receita para a indústria da música.

      “Estamos adicionando recursos baseados em assinatura no YouTube para gerar a nossos parceiros da indústria fonográfica novas fontes de receita além das centenas de milhões de dólares que o YouTube já gera para eles a cada ano”, afirmou o YouTube em comunicado.